quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Caravana da Anistia...

A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, em parceria com a UFPel, UCPel ea Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Vereadores, trás a Pelotas a 32ª Caravana da Anistia.

O Evento terá Solenidade de Abertura, Sessão de Memória em homenagem aos ex-perseguidos políticos, Sessão Especial de Julgamento da Comissão de Anistia e outras atividades.


Esta etapa da Caravana se realizará neste 04 de dezembro, na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pelotas, a partir das 9h.

É uma excelente oportunidade para estudantes de Direito e a comunidade em geral, interessada no tema, conhecer um pouco mais sobre uma parte da história política do nosso País, que até hoje provoca e desafia os ativistas de Direitos Humanos a lutar pela equidade e que não deve ser apagada das memórias dos brasileiros, para que eventos semelhantes jamais voltem a acontecer.

domingo, 29 de novembro de 2009

A natureza não é muda...

O mundo pinta naturezas mortas, sucumbem os bosques naturais, derretem os pólos, o ar torna-se irrespirável e a água imprestável, plastificam-se as flores e a comida, e o céu e a terra ficam completamente loucos.


E, enquanto tudo isto acontece, um país latino-americano, o Equador, está discutindo uma nova Constituição. E nessa Constituição abre-se a possibilidade de reconhecer, pela primeira vez na história universal, os direitos da natureza.

A natureza tem muito a dizer, e já vai sendo hora de que nós, seus filhos, paremos de nos fingir de surdos. E talvez até Deus escute o chamado que soa saindo deste país andino, e acrescente o décimo primeiro mandamento, que ele esqueceu nas instruções que nos deu lá do monte Sinai: "Amarás a natureza, da qual fazes parte".

Um objeto que quer ser sujeito
Durante milhares de anos, quase todo o mundo teve direito de não ter direitos.

Nos fatos, não são poucos os que continuam sem direitos, mas pelo menos se reconhece, agora, o direito a tê-los; e isso é bastante mais do que um gesto de caridade dos senhores do mundo para consolo dos seus servos.

E a natureza? De certo modo, pode-se dizer que os direitos humanos abrangem a natureza, porque ela não é um cartão postal para ser olhado desde fora; mas bem sabe a natureza que até as melhores leis humanas tratam-na como objeto de pr
opriedade, e nunca como sujeito de direito.

Reduzida a uma mera fonte de recursos naturais e bons negócios, ela pode ser legalmente maltratada, e até exterminada, sem que suas queixas sejam escutadas e sem que as normas jurídicas impeçam a impunidade dos criminosos. No máximo, no melhor dos casos, são as vítimas humanas que podem exigir uma indenização mais ou menos simbólica, e isso sempre depois que o mal já foi feito, mas as leis não evitam nem detêm os atentados contra a terra, a água ou o ar.

Parece estranho, não é? Isto de que a natureza tenha direitos... Uma loucura. Como se a natureza fosse pessoa! Em compensação, parece muito normal que as grandes empresas dos Estados Unidos desfrutem de direitos humanos. Em 1886, a S
uprema Corte dos Estados Unidos, modelo da justiça universal, estendeu os direitos humanos às corporações privadas. A lei reconheceu para elas os mesmos direitos das pessoas: direito à vida, à livre expressão, à privacidade e a todo o resto, como se as empresas respirassem. Mais de 120 anos já se passaram e assim continua sendo. Ninguém fica estranhado com isso.


Gritos e sussurros
Nada há de estranho, nem de anormal, o projeto que quer incorporar os direitos da natureza à nova Constituição do Equador.

Este país sofreu numerosas devastações ao longo da sua história. Para citar apenas um exemplo, durante mais de um quarto de século, até 1992, a empresa petroleira Texaco vomitou impunemente 18 bilhões de galões de veneno sobre terras, rios e pessoas. Uma vez cumprida esta obra de beneficência na Amazônia equatoriana, a empresa nascida no Texas celebrou seu casamento com a Standard Oil. Nessa época, a Standard Oil, de Rockefeller, havia passado a se chamar Chevron e era dirigida por Condoleezza Rice. Depois, um oleoduto transportou Condoleezza até a Casa Branca, enquanto a família Chevron-Texaco continuava contaminando o mundo.

Mas as feridas abertas no corpo do Equador pela Texaco e outras empresas não são a única fonte de inspiração desta grande novidade jurídica que se tenta levar adiante. Além disso, e não é o menos importante, a reivindicação da natureza faz parte de um processo de recuperação das mais antigas tradições do Equador e de toda a América. Visa a que o Estado reconheça e garanta o direito de manter e regenerar os ciclos vitais naturais, e não é por acaso que a Assembléia Constituinte começou por identificar seus objetivos de renascimento nacional com o ideal de vida do sumak kausai. Isso significa, em língua quechua, vida harmoniosa: harmonia entre nós e harmonia com a natureza, que nos gera, nos alimenta e nos abriga e que tem vida própria, e valores próprios, para além de nós.

Essas tradições continuam miraculosamente vivas, apesar da pesada herança do racismo, que no Equador, como em toda a América, continua mutilando a realidade e a memória. E não são patrimônio apenas da sua numerosa população indígena, que soube perpetuá-las ao longo de cinco séculos de proibição e desprezo. Pertencem a todo o país, e ao mundo inteiro, estas vozes do passado que ajudam a adivinhar outro futuro possível.

Desde que a espada e a cruz desembarcaram em terras americanas, a conquista européia castigou a adoração da natureza, que era pecado de idolatria, com penas de açoite, forca ou fogo. A comunhão entre a natureza e o povo, costume pagão, foi abolida em nome de Deus e depois em nome da civilização. Em toda a América, e no mundo, continuamos pagando as conseqüências desse divorcio obrigatório.

(Eduardo Galeano)

Publicado originalmente no semanário Brecha, do Uruguai.
Tradução: Naila Freitas / Verso Tradutores

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Porque o chamam de imortal...

Para quem ainda não sabia, eis o porquê chamam o Grêmio de "imortal": 2x0 no tão temido Palmeiras, com a possibilidade de decidir o Brasileirão 2009. Convenhamos, é muito orgulho ver o time do coração renascer das cinzas, mesmo fora da briga. Guerreiro como o Grêmio de Marcelo Rospidi, hoje a noite.


O técnico, que já havia conseguido um empate heróico em Belo Horizonte, contra o Cruzeiro, na penúltima rodada, e que estará a frente da equipe do Grêmio até o final do Brasileirão, mais uma vez deu provas de que tem total competência para continuar comandando o tricolor gaúcho, vestindo a camiseta e incorporando o espírito do exército gremista. Ele acaba de vencer uma das equipes mais cotadas (até aqui) para vencer o maior campeonato nacional do mundo, o brasileiro, e eu duvido que o Paulo Autuori conseguisse isso.

O que me indigna é a insistência da direção do Clube em contratar o que eles chamam de "técnico". Afinal, o Marcelo Rospide é o quê??

Segundo o Portal Oficial do Grêmio Football Portoalegrense, os mais cotados são Dorival Jr. (técnico do Vasco) e Adilson Batista (técnico do Cruzeiro). Mas, como bem disse o lateral-esquerdo Fábio Santos, em entrevista coletiva, após o treino desta manhã de quinta-feira, "neste momento o importante é encerrar bem o Campeonato Brasileiro".

Se os resultados que Marcelo Rospide apresentou até agora ainda não são suficiente, que venham o Barueri e o Flamengo.


Se os resultados em todas as vezes que comandou o time, não são suficientes para a direção gremista contratá-lo definitivamente, não sei quais argumentos os convenceriam a apostar nele. Mas eu, sem pensar muito, posso listar quatro motivos:

1. Marcelo Rospide é de casa e, portanto, comprometido com o clube;
2. Marcelo Rospide não demanda altos valores na contratação;
3. Marcelo Rospide ficará imensamente agradecido ao Grêmio pelo reconhecimento e pela sua inserção num campo profissional tão restrito e, por consequência, faria o seu melhor; e
4. Marcelo Rospide, com seu esquema e sua maneira de comandar, provoca coisas incríveis na equipe como, por exemplo, o Máxi Lopez marcar um gol "raçudo" daqueles, tomado pelo espírito gremista, deixando dois zagueiros e o goleiro chutando e tapeando o ar.

Mas... Vai entender a cabeça dos dirigentes de futebol. Quem sabe até o final do campeonato eles mudem de idéia e deixem assim como está?!

Lady Gaga, Beyoncé e os já imortalizados...

Definitivamente alguns artistas, como Michael Jackson, Madonna, Cher, Whitney Houston e tantos outros, já se imortalizaram por tudo o quê fizeram, mas é fato que os artistas da música - que já há algum tempo têm seu trabalho fatal e necessariamente vinculado ao uso da imagem - trabalham em dobro, em triplo, para se imortalizar como os renomados lembrados acima, dada a velocidade em que as informações circulam, especialmente pela internet.

Em praticamente uma semana a cantora Lady Gaga - quase uma unanimidade nas pistas de casas noturnas pelo mundo inteiro - causou sensação no mundo da música e dos videoclipes, ao lançar dois novos vídeos. O primeiro deles, Bad Romance, foi lançado dia 09 deste mês e é considerado um dos melhores clipes da artista. No segundo, Video Phone, lançado ontem (17), Gaga está acompanhando outro grande nome do 'show bis', Beyoncé Knowles.

Meu post de hoje é dedicado à "arte, aliada a tecnologia", e é acompanhado pelos dois mais novos sucessos de Lady Gaga.



Em breve Lady Gaga pretende lançar o videoclipe da música que fez para 'devolver' o acompanhamento a Beyoncé, Telephone, que já é sucesso nas rádios e está no topo das listas de download em mp3. Estaremos atentos!

sábado, 14 de novembro de 2009

Chuva, tornado, morfina e eu: feliz da vida...

Definitivamente todos têm seu lado fútil e egoísta, que aparece hora ou outra. Hoje, permiti que o meu aflorasse (novamente, claro).

As notícias deste sábado (14) foram as que um tornado foi filmado por um cinegrafista amador da serra no final da tarde de ontem, que as fortes chuvas deixaram 50 mil gaúchos sem luz em suas casas, que uma técnica em enfermagem da pediatria do Hospital da Ulbra foi presa por administrar pequenas doses de morfina em bebês e, enquanto isto tudo acontecia, eu estou bobo, feliz da vida, simplesmente porque me tornei usuário do Google Wave (GW).


Para os que não sabem do que se trata, o GW é a mais nova ferramenta lançada pela Google, em direção ao domínio da internet. Trata-se de uma ferramenta considerada tão importante quanto o surgimento do e-mail, que funciona como 'ondas', como o próprio nome diz, capazes de aliar as mais diversas (e, segundo os especialistas, ilimitadas) funcionalidades. O GW substituirá (isso, fatalmente, acontecerá com o tempo) o messenger, o e-mail, os editores de texto e muitos outros vícios virtuais meus. As 'ondas' são um conjunto de páginas HTML que funcionam integradas e que podem ser editadas e visualizadas em tempo real. Enfim... É um MEGA editor HTML. A melhor utilização da web 2.0 que se poderia imaginar.

A princípio a Google optou pelo sistema de 'convites' para fazer a distribuição do GW, como fez com o Novo Orkut, recentemente, e com Gmail, quando foi criado. Usuários cadastrados de todo o mundo, dispostos a ajudar nos testes da 'versão beta' foram os primeiros a receber os primeiros milhares de convites e, após um tempo, passaram a receber convites para distribuir aos seus contatos. Agora, depois de muita batalha, discutindo o GW em fóruns pela web, finalmente, chegou a minha vez. hehe

Logo que você se torna usuário, a primeiro a fazer é criar seu perfil (com foto, status e link para uma página pessoal) e, a partir daí, fazer o reconhecimento do GW. Já de saída, além das possibilidades de adicionar contatos (já surfistas), bater papo ou trocar informações em 'waves' sobre os mais variados temas, você encontra tutorial completo (já disponível em português em alguns Blogs como o Zastrich) e um vídeo explicativo, apresent
ado pelo 'mestre de cerimônias' da nova 'onda' do Google, Doctor Wave, sobre as funcionalidades do GW.


Outra funcionalidade do GW eu estou utilizando neste momento. Este post está sendo produzido dentro da sua plataforma e, depois de pronto, exportarei para o Sundae, Blog Sundae.

Assim que tiver convites disponíveis, evidentemente, enviarei aos amigos. Afinal, a idéia é esta. Porém, o primeiríssimo está com destino certo: Camafunga. Foi com ele que conversei primeiro sobre o GW e, por incrível que pareça, consegui me tornar usuário antes. hehe

Está dada a dica... Para quem quiser experimentar, digo que deve mesmo fazê-lo, porque vale a pena. A quem não se interessou, aconselho que mude a postura, pois não há como fugir de mais essa evolução.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Apagão da barbeiragem ou variação de um mesmo tema...

Apagão ou barbeiragem? É a pergunta que me faço, depois de mais um "blackout" no país do futebol e das Olimpíadas. Vamos aos fatos...

Por volta das 22h de 10 de novembro, mais de 100 milhões de pessoas, em 18 estados brasileiros, ficaram sem energia elétrica, praticamente repetindo o que ocorreu nos dois últimos anos do governo do FHC (2001 e 2002). Na época, acusou-se falta de planejamento e investimentos em geração de energia.

Segundo as primeiras notícias sobre o caso, Itaipú simplesmente parou de gerar/enviar energia para Furnas, responsável pela distribuição. Em sua página no Twitter, Itaipú publicou comentários dizendo que não registrou nenhum tipo de pane em suas instalações. Em 4h os problemas já haviam sido 'resolvidos' e as 6 da manhã do dia deguinte, tudo operava a pleno.

No desespero de encontrar um/o culpado, evidentemente, o clima foi o vilão. Mesmo que o Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (ELAT/INPE) assegure que, embora houvesse uma tempestade na região próxima a Itaberá, com atividade de raios no horário do apagão, mas a baixa intensidade da descarga registrada (menor que 20 kA) não seria capaz de produzir um desligamento da linha, mesmo que incidisse diretamente sobre ela. Em geral, apenas descargas com intensidade superiores a 100 kA, atingindo diretamente uma linha, poderiam causar um desligamento de linhas de transmissão operando com tensões tão elevadas como as linhas de Itaipu (duas de 600 kV e duas de 750 kV). Ontem (12), em entrevista à imprensa, Osmar Pinto, pesquisador do INPE, descartou a possibilidade de que os raios tenham provocado o apagão de terça-feira: “Foi uma tempestade normal nesta região do país, durante o período do apagão. Ou seja, dez minutos antes e dez minutos depois, nós tivemos 25 raios na região. Isso significa quase que com um raio a cada dois minutos, que não é quantidade de raios muito grande.” O INPE é um órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia. Está sujeito a pressões políticas, claro. Mas seus técnicos têm uma reputação a zelar.

O Presidente Lula, preocupado com a exposição de Dilma, quer concentrar o tema do 'apagão' sobre o Ministro de Minas e Energia Edison Lobão, que já declarou: "O Inpe está estudando o assunto para ter uma manifestação sobre fenômenos climáticos, não sobre questões energéticas. Não é atribuição do INPE opinar sobre energia elétrica. Ele opina sobre fatos climáticos e nada mais". Admitiu Lobão que "houve um desligamento completo de Itaipu". "Uma linha de transmissão caiu e determinou a queda de outras", disse ele. Lobão avaliou que não é possível afirmar, com certeza, o que causou a falha no fornecimento de energia elétrica. Entretanto, segundo ele, o problema teria sido provavelmente causado por "fatores atmosféricos", como "tempestades de grande intensidade".

Indícios apontam para falha na transmissão entre o Paraná e São Paulo, segundo Itaipú, e a transmissão é da responsabilidade de Furnas. Desde o início ano passado, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) já previa a necessidade de construir uma outra linha de transmissão, ligando Foz de Iguaçu a Cascavel (no meio do caminho entre Foz e Ivaiporã). A previsão foi feita no planejamento estratégico da estatal para o período de 2008 a 2012 e repetida no plano de 2009 a 2012. O fato é que Furnas é a dona da rede de transmissão de Itaipu e recebe uma taxa diferenciada, com prêmio, para transmitir essa energia. A nova linha colocará o "status" das linhas de Furnas como "rede básica", com uma remuneração sem prêmio, o que não é de interesse da empresa.

Outra questão igualmente importante é a forma como o Operador Nacional do Sistema (ONS) lidou com a rede na hora em que as linhas de transmissão pararam de funcionar. Quem entende do assunto afirma que houve uma barbeiragem na hora de manejar a distribuição da carga sobre o sistema. Isso porque Itaipu tem cerca de 12 mil MW de potência, dividida em dois blocos de 6 mil MW. Apenas as linhas que partem de um desses blocos de geração foram as que saíram de operação. O sistema brasileiro perdeu portanto metade de itaipu. Tudo que um sistema elétrico precisa para funcionar bem é que a geração seja igual ao consumo (carga).

Fica a pergunta: Será que tal barbeiragem (e eu desconfiava mesmo de 'falha humana', desde o princípio) foi um blackout de um técnico descuidado, estressado com problemas pessoais, cansado pelas longas horas de trabalho? Ou se trata de mais uma manobra política, na intenção de repetir o acontecido em 2001, que teve impacto direto na campanha presidencial e, por sua vez, no resultado final para escolha do sucessor de FHC?

Sempre soube que na política nacional não existem golpem baixos, existem golpes e fim. Mas, se algo nesse sentido for detectado, me parece que é a prova derradeira da falta de escrúpulos dos que querem o poder. Bom... A partir daí, não sou eu que vou te dizer o quê fazer nas eleições 2010... Só espero que tenhamos uma vela à mão, para que possamos acender e tentar enchergar o que há de podre em volta e iluminar as idéias. Ou, já que não consultei o calendário lunar, espero que seja lua cheia.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Estandarte da Cultura...

Tendo em vista a relevância do assunto, decidi trazer (na íntegra) um dos posts de hoje do Blog "Amigos de Pelotas".

O Estandarte da Cultura, símbolo da Vigília Cultural, foi confeccionado pelo Grupo Tholl e está à disposição de todos os interessados em apoiar o movimento, levando-o a eventos de qualquer natureza, acompanhado pelo livro de assinaturas de apoio.

O símbolo da luta do movimento pela cultura está agora na Feira do Livro de Pelotas, onde permanecerá até domingo, data de encerramento do evento.

Desde a instalação da Vigília, em 01 de outubro, o Estandarte esteve presente em número expressivo de eventos, como: vernissages, lançamentos de livros, mostras e conferências, conforme poderá ser conferido no site www.grupotholl.com.

O estandarte simboliza a luta pela preservação da Secretaria de Cultura na reforma administrativa da prefeitura e pela criação de um Sistema Municipal de Incentivo à Cultura. O prefeito Fetter Jr. prometeu encaminhar à Câmara um projeto nesse sentido, mas até o momento a proposta não prosperou. (fonte: Amigos de Pelotas)

Ainda, e além disso, manterei o desenho do "Minduim" (imagem acima) aqui no Sundae, Blog Sundae, enquanto a estupidez da não manutenção da Secretaria de Cultura em Pelotas habitar as idéias de alguns políticos por aqui.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Cidadanear...

O site do Senado Federal é uma dica indispensável de navegação para os internautas que gostam de estar 'em dia' com as notícias que interferem diretamente no exercício da cidadania.

Além de notícias, lá encontramos enquetes acerca de matérias polêmicas votadas pela Casa e que, provavelmente, sirvam de referência para os caros Senadores na hora de decidir seu voto, com base na opinião do 'eleitorado'.

Destaco, hoje, dois temas importantes.

Um deles diz respeito a um Projeto de Lei (PLS) apresentado, emendado, aprovado e já a caminho da Câmara Federal, que garante a nomeação a candidatos aprovados em concursos públicos. Vale a pena conferir.

Outro coisa importante nesta página, diz respeito a enquete atual, que indaga sobre a criminalização do preconceito contra homosexuais, tal como o é contra negros (coluna à direita). Meu voto é pelo SIM... E o teu?

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

A bula do Viagra (muito bom)...

- Vai, Horácio. Toma logo. - Eu não tomo nada sem antes ler a bula. Cadê meus óculos? - Pendurados no seu pescoço. - Isso é ridículo, Maria Helena. Ridículo!!! - Então, todos os homens da sua idade são ridículos. Porque todos estão tomando! E não me puxa esse lençol, fazendo o favor. Olha aí o bololô que você me faz nas cobertas! - A humanidade conseguiu crescer e se multiplicar durante milênios sem isso. Nós dois crescemos e nos multiplicamos sem isso. Taí o Pedro Paulo, taí o Zé Augusto que não me deixam mentir. Fora aquele aborto que você fez. - Horácio, eu não vou discutir isso com você agora.Toma logo esse negócio. - Isso aqui faz mal pro coração, sabia? Um monte de gente já morreu tentando dar uma trepadinha farmacêutica. - Foi por uma boa causa. E não faz mal coisa nenhuma. Só pra quem é cardíaco e toma remédio. Você não é cardíaco. Nem coração você tem mais. - Não começa, Maria Helena, não começa. - Pode ficar sossegado que você não vai morrer do coração por causa dessa pilulinha. Eu vi num programa do GNT um velhinho de 92 anos que toma isso todo dia. - Sério? - Preciso de sexo, Horácio. - Mas hoje é segunda, Maria Helena... - Quero trepar!!! Foder!!! Ser comida por um macho de pau duro!!! - Francamente, Maria Helena, que boca. Parece que saiu da zona. - Quero ser penetrada, quero gozar. - O sexo é uma ditadura, Maria Helena A gente tá na idade de se livrar dela. - Saudades da dita dura. Olha só, você me fez fazer um trocadilho de merda. - Além do mais, Maria Helena, nós já tivemos um número mais do que suficiente de relações sexuais na vida, por qualquer padrão de referência, nacional ou estrangeiro. A quantidade de esperma que eu já gastei nesses anos todos com você dava pra encher a piscina aqui do prédio. - Com o esperma que você ordenhou manualmente, talvez. O que o senhor gastou comigo não daria nem pra encher o bidê aqui de casa. Um penico, talvez. Até a metade. - Maria Helena... - E faz quase um ano que não pinga uma gota lá dentro! - Sossega o facho, mulher. Vai fazer ioga, tai chi chuan. Já ouviu falar em feng shui, bonsai, shiatsu ? Arranja um cachorro. Quer um cachorro? Um salsichinha? - Quero um salsichão, Horácio. Olha aí: outra piadinha infame. - É porque você está com idéia fixa nessa porcaria. - Que porcaria? - O sexo, Maria Helena, o sexo. - Sabe o que mais que deu naquele programa sobre sexo, Horácio? - Não estou interessado. - Deu que as mulheres com vida sexual ativa têm muito menos chance de ter câncer. É científico. - Come brócolis que é a mesma coisa, Maria Helena. Protege contra tudo que é câncer. Também é científico, sabia? E puxado no azeite, com alho, fica uma delícia. - A que ponto chegamos, Horácio. Eu falando de sexo e você me vem com brócolis puxado no azeite! - Com alho. - Faça-me o favor, Horácio. - Maria Helena, escuta aqui, você já tem 50 anos, minha filha, dois filhos adultos, já tirou um ovário, já... - Não fiz 50 ainda. Não vem não. E o que é que filho e ovário têm a ver com sexo? - Maria Helena, me escuta. Depois de uma certa idade as mulheres não precisam mais de sexo. - Ah, não? Quem decidiu isso? - Sexo nessa idade é pras imaturas. Pras deslumbradas, pras iludidas que não sabem envelhecer com dignidade. - Prefiro envelhecer com orgasmos. - O que é que o Freud não diria de você, Maria Helena. - E de você, então, Horácio? No mínimo, que você virou gay depois de velho. Boiola. - Maria Helena! Faça-me o favor. Eu tenho que ouvir isso na minha própria casa, na minha própria cama,diante da minha própria televisão? - Aliás, gay gosta de trepar. É o que eles mais gostam de fazer. Você virou outra coisa, sei lá o quê. Um pingüim de geladeira, talvez. - Maria Helena, dá um tempo, tá? Tenho mais o que fazer. - Fazer? Essa é boa. O que é que um bancário aposentado com salário integral tem pra fazer na vida, posso saber? Ficar jogando bilhar a tarde inteira? - Sem comentários, Maria Helena, sem comentários. - Tá bom, sem comentários. Bota os óculos e lê duma vez essa bendita bula. - Só que precisa de dois óculos pra ler isso. Olha só o tamanhico da letra. Se é um negócio pra velho, deviam botar uma letra bem grande. Pelo menos isso. - Vira o foco do abajur para cá... assim... melhorou? - Abaixa essa televisão também. Não consigo me concentrar ouvindo novela. Mais. Mais um pouco. - Pronto, patrãozinho. Sem som. Vai, lê duma vez. - O princípio ativo do medicamento é o citrato de sildenafil. - Sei. - Veículos excipientes: celulose microcristalina... - Celulose vem da madeira. Pau, portanto. Bom sinal. - Onde foi parar a sua pouca educação, Maria Helena? - Vai lendo, Horácio. Depois conversamos sobre a minha pouca educação... - Cros... camelose sádica. Croscamelose. Castrepa, Maria Helena. Me recuso a tomar um troço com esse nome. Deve ser alguma secreção de camelo. Se não for coisa pior. - Não é camelose. Num tá vendo aí? É caRmelose. Deve ser algum adoçante artificial. Pro seu pau ficar doce, meu bem. - Putz. Só rindo mesmo. A menopausa acabou com a sua lucidez, Maria Helena. - Troco toda a lucidez do mundo por um pau tinindo de tesão por mim. - Absurdo, absurdo. - Que mais, que mais, Horácio? - Dióxido de titânio. - Ah, titânio. Pro negócio ficar bem duro. - índigo carmim... - índigo? Deve ser o que dá o azul da pilulinha. - Será que esse negócio não vai deixar o meu pau azul, Maria Helena? - E daí, se deixar? Você não sai por aí exibindo o seu pênis, que eu saiba. Ou sai? - Mas, e se eu for a um mictório público? o que é que o cara ao lado não vai pensar do meu pinto azul? - Diz que você é um alienígena, ora bolas. Que o seu corpo está pouco a pouco se adaptando à Terra, que ainda faltam alguns detalhes. Ou explica que você é um nobre, de sangue e pinto azul. Ou não diz nada, ora bolas. Acaba de mijar, guarda o pinto azul e vai embora, pô. - Escuta. Agora vem a parte que explica como esse petardo funciona. - Isso. Quero ver esse petardo funcionando direitinho. - Presta atenção. 'O óxido nítrico, responsável pela ereção do pênis,ativa a enzima guanilato ciclase, que, por sua vez, induz um aumento dos níveis de monofosfato de guanosina cíclico, produzindo um relaxamento da musculatura lisa dos corpos cavernosos do pênis e permitindo assim o influxo de sangue:' Cacete. Corpos cavernosos Já pensou, Maria Helena? Corpos cavernosos sendo inundados de sangue? Puro Zé do Caixão. - Corpo cavernoso só pode ser herança do homem das cavernas. Vocês homens evoluem muito lentamente. - Pára de viajar, Maria Helena. Parece que fumou maconha. - Não era má idéia. Pra relaxar. Vou roubar do Pedro Paulo. Eu sei onde ele esconde. Podíamos fumar juntos. - Eu já tô relaxado. Tô até com sono, pra falar a verdade. - Lê, lê, lê, lê aí. Você já dormiu tudo a que tinha direito nessa vida. - Vou ler. 'Todavia, o sildenafil não exerce um efeito relaxante diretamente sobre os corpos cavernosos..:' - Não? - Não, Maria Helena. Ele apenas 'aumenta o efeito relaxante do óxido nítrico através da inibição da fosfodiesterase-**5, a** qual' - veja bem, Maria Helena, veja bem - 'a qual é a responsável, pela degradação do monofosfato de guanosina cíclico no corpo cavernoso?'. Ouviu isso? ** - Degradação, Maria Helena. Dentro dos meus próprios corpos cavernosos. Degradante... - Degradante é pau mole. - Olha o nível, Maria Helena! Olha o nível!! Vamos ver os efeitos colaterais. Olha lá: dor de cabeça. Você sabe muito bem que se tem uma coisa que eu não suporto na vida é dor de cabeça. - Na cultura judaico-cristã é assim mesmo, Horácio. Pra cabeça de baixo gozar, a de cima tem que padecer. - Não me venha com essa sua erudição de internet, Maria Helena. Estamos off-line. - Deixa de ser criança, Horácio. Se der dor de cabeça você toma um Tylenol, reza uma ave-maria, canta o 'Hava Naguila' que passa. - Outro efeito colateral: rubor. Rá, rá. Vou ficar com cara de quê, Maria Helena? De camarão no espeto? - Se for camarão com espeto, tá ótimo. Que mais, que mais? - Enjôos. Ó céus! Enjôos... - Você sempre foi um tipo enjoado, Horácio. Ninguém vai notar a diferença. - Vamos ver o que mais... hum.. dispepsia. Que lindo. Vou trepar arrotando na sua cara. - Você me come por trás. Arrota na minha nuca. - É brincadeira... É essa a sua idéia de amor, Maria Helena? - Isso não tem nada a ver com amor, Horácio. Já disse: é profilaxia contra o câncer. E arrotar, você já arrota mesmo o dia inteiro, sem a menor cerimônia. Na mesa, na sala, em qualquer lugar. - Como se você não arrotasse, Maria Helena. - Mas não fico trombeteando os meus arrotos. Isso é coisa de machão broxa. Em vez de trepar com a esposa, fica arrotando alto pra se sentir o cara do pedaço. - Como você é simplória, Maria Helena, como você é... menor. Desculpe, mas acho que o seu cérebro anda encolhendo, sabia? Ou mofando. Ou as duas coisas. - Vai, Horácio, chega de conversa mole. E de pau idem. Pula os efeitos colaterais. - Como , 'pula os efeitos colaterais'? É porque não é você quem vai tomar essa meleca, né? Vou ler até o fim. Os efeitos colaterais são a parte mais importante. Olha lá: gases. Que é que tá rindo aí? - Do efeito cu-lateral. Desculpa. Esse foi de propósito. Não agüentei... - Admiro seu humor refinado, Maria Helena. Torna você uma mulher tão mais sedutora, sabia? - Obrigada, Horácio.'Agora, quanto aos seus gases, pode relaxar o esfíncter, meu filho. Numa boa. Tô tão acostumada que até sinto falta quando estou sozinha. Sério. Fico pensando: Ah, se o Horácio estivesse aqui agora pra soltar uma bufa de feijoada com cerveja na minha cara... - Maria Helena, qualquer dia você vai ganhar o Oscar da vulgaridade universal. - Vou dedicar a você. - Vamos ver que mais temos aqui em matéria de efeitos colaterais. Ah! Congestão nasal. Que gracinha. Vou ficar fanho, que nem o Donald. Qüém,qüém. Qüém. - Um pateta com voz de pato. Perfeito. - Ridículo. Absurdo. Idiota. - Ridículo você já é, Horácio. E quem não é? Além do mais, é só calar a boca que você não fica fanho. - Ah, tá. E se eu quiser falar alguma coisa na hora? - Você não diz nada de interessante há mais de dez anos, Horácio. Vai dizer justo na hora de trepar? - Eu não nasci para dizer coisas interessantes a você, Maria Helena. - Já percebi. - Hum. Ouve só; diarréia! - Quê? - É outro efeito colateral dessa bomba aqui. Fala sério, Maria Helena. Isto aqui é um veneno. Não sei como eles vendem sem receita. - Deixa de ser pueril, Horácio. Magina se alguém vai ter todos os efeitos colaterais ao mesmo tempo. No máximo um ou dois. - A caganeira e os arrotos, por exemplo? Ou a ânsia de vômito e os gases? - Faz um cocozinho antes. Pra esvaziar! Agora, Horácio. Eu espero. - Eu não estou com vontade de fazer cocozinho nenhum, Maria Helena. Faça-me o favor. E olha aqui, mais um efeito colateral: visão turva. - Você bota os seus óculos de leitura. E que tanto você quer ver que já não viu? - Maria Helena, você não entendeu? Essa droga perturba seriamente a visão. Vou ficar cego por sei lá quantas horas, quantos dias. E tudo por causa de uma reles trepadinha? E se a minha visão não voltar? Vou andar de bengala branca pro resto da vida? - Pode deixar que eu guio a sua bengala, Horácio. Olha, pensa no lado bom da cegueira: você vai poder me imaginar 20 anos mais moça. Trinta, se quiser. - Maria Helena, desisto. Não vou tomar essa porcaria e tá acabado. - Dá aqui essa cartela, Horácio. Abre a boca. Pronto. Engole. Olha a água aqui. Isso. Que foi? Engasgou, amor?! Tosse pra lá,ô! Me borrifou toda! Que nojo! Quer que bata nas suas costas? Ai, meu Deus! Horácio? Você está bem ? Respira fundo! Isso, isso... E aí, amor? Melhorou? Morrer afogado num copo d'água ia ser idiota demais, até prum cara como você. - Arrr! E com essa pílula monstruosa entalada na garganta, ainda por cima! Ufff! Me dá mais água. - Quanto tempo isso aí demora pra fazer efeito? - Isso aí o quê? - A pílula, Horácio, a pílula. - E eu sei lá? - Vê na bula, Horácio. - Hum... tá aqui: 30 minutos. - Ótimo. Dá tempo de ver o fim da minha novela.

(Luis Fernando Veríssimo, CLARO!!)

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Influência...

Não há dúvidas de que a Influenza A (H1N1) existe e atingiu populações no entorno do globo. Porém, o sensacionalismo feito acerca do tema e a euforia provocada com o bombardeio de notícias na grande imprensa, foi realmente exagerado.
Nas regiões tropicais do Brasil, bem como nas regiões de clima frio, morrem a cada ano muito mais homens, mulheres (grávidas ou não) e crianças por malária, febre amarela e penumonia e o tratamento da mídia não é o mesmo.
Em conhecimento dos dados apresentados por um vídeo que assisti no YouTube, é natural que se confirme o quê, por enquanto, se tratava apenas como uma nova "teoria da conspiração". O governo dos EUA, assim como a indústria farmaceutica norte-americana e européia, tem tecnologia e investe o suficiente para que sejam criados novos vírus e bactérias a cada cíclo de estações. Natural que uma nação, com governantes de desvalores humanos suficientes para bombardear cidades inteiras (Hiroshima, Bagdah, entre outras...) e interferir na vida política de outras nações (Cuba, Iran, Israel, Iraque, enfim...), se utilizando muitas vezes de Organizações Internacionais de interesses pseudo-públicos e pseudo-democráticas (ONU/OMS), seja capaz de se utilizar e, porque não, manipular uma "panicodemia" como a da H1N1.
Especialmente se houver interesses privados, ou pessoais, em jogo (devem pensar), por que não levar a sério o que nos diz Maquiavel: "os fins justificam os meios" ?!

Assista ao vídeo sobre essa nova (ou, já ultrapassada) "teoria da conspiração", clicando aqui.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Essa é minha...

Alfajores e ipês
(André Christ)


E eu que bem disse abril...
Adolescente, impaciente,
Se deixou tomar pelo êxtase
Por morder um alfajor
Antes que florecessem os Ipês.

Ohh... bagem!!
Quem mais suporia?
Euforia de outros dias
Que setembro soterrou.

Ahh... licidade!
Que o quatro idealiza,
O nove realiza,
E eu... mereço.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Phrásis #3...

Phrásis... do grego, "modo de falar".

"Uma coisa eu aprendi com as 'lambadas' da vida: por mais q a gente tenha medo de colocar pra fora oq sente de verdade... a gente TEM que fazer! Seja amor, seja medo... raiva ou paixão... carinho ou desilusão... pânico ou desejo. Nada... nada supera a força da palavra certa e no momento exato."
(Eu, no msn, em 14/09/2009, às 22:42h)

Conformidad (Emilia Curras)...

"Si no fuera lo que eres,
?qué querrías ser?

Todo y nada a la vez,
que la ilusión la he puesto
en lo que tengo
y el deseo em aquello que soñé.

Nada es mejor,
que una realidad viviida.
Todo es mejor en el aire de la fantasía.

Lo que tengo es mi tesoro
y lo vivido mi recuerdo.
Lo que no poseo llena
mis noches de ensueño."

sábado, 8 de agosto de 2009

Fuck You...

Video frances, feio pelos leitores do www.GayClic.com, postado no dia internacional contra Homofobia, dia 17 de maio de 2009.

Mais do que eficiente, este vídeo com a música Fuck You, de Lily Allen (legendado em português por Leandro Rocha), é muito divertido. Vale a pena carregar para assistir.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Pink Floyd em Pelotas...

Divulgo a todos um Evento que penso ser de extrema relevância do ponto de vista cultural e de fundamental importância para a valorização do quê se produz de melhor em termos de música na nossa Pelotas.

Gostaria de convidá-los a assistir um pequeno vídeo de um dos ensaios para o Show Pink Floyd Tribute, que a Banda Flor do Asfalto está preparando para ser apresentado no Theatro Sete de Abril, em Pelotas.



O evento, inicialmente previsto para o próximo dia 05 de agosto, foi adiado em função da pânicopandemia de Gripe A - H1N1 - e remarcado para o dia 02 de setembro, a partir das 20:30h.

O acesso ao Show se dará através da simples doação de 2kg de alimento, o que, portanto, o torna ainda mais imperdível!!

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Bons amigos...

Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!

(Machado de Assis)

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Uma lenda chinesa...

Era uma vez uma jovem chamada Lin, que se casou e foi viver com o marido na casa da sogra.
Depois de algum tempo, começou a ver que não se adaptava à sogra. Os temperamentos eram muito diferentes e Lin se irritava com os hábitos e costumes da sogra, que criticava cada vez mais com insistência.
Com o passar dos meses, as coisas foram piorando, a ponto de a vida se tornar insuportável. No entanto, segundo as tradições antigas da China, a nora tem que estar sempre a serviço da sogra e obedecer-lhe em tudo.
Mas Lin, não suportando por mais tempo a idéia de viver com a sogra, tomou a decisão de ir consultar um Mestre, velho amigo do seu pai.
Depois de ouvir a jovem, o Mestre Huang pegou num ramalhete de ervas medicinais e disse-lhe:
- Para te livrares da tua sogra, não as deves usar de uma só vez, pois
isso poderia causar suspeitas. Vais misturá-las com a comida, pouco a pouco, dia após dia, e assim ela vai-se envenenando lentamente.
Mas, para teres a certeza de que, quando ela morrer, ninguém suspeitará de ti, deverás ter muito cuidado em tratá-la sempre com muita amizade. Não discutas e ajuda-a a resolver os seus problemas.
Lin respondeu: - Obrigado, Mestre Huang, farei tudo o que me recomenda.
Lin ficou muito contente e voltou entusiasmada com o projeto de
assassinar a sogra.
Durante várias semanas Lin serviu, dia sim, dia não, uma refeição preparada especialmente para a sogra. E tinha sempre presente a recomendação de Mestre Huang para evitar suspeitas: controlava o temperamento, obedecia à sogra em tudo e tratava-a como se fosse a sua própria mãe.
Passados seis meses, toda a família estava mudada. Lin controlava bem o seu temperamento e quase nunca se aborrecia. Durantes estes meses, não teve uma única discussão com a sogra, que também se mostrava muito mais amável e mais fácil de tratar com ela. As atitudes da sogra também mudaram e ambas passaram a tratar-se
como mãe e filha.
Certo dia, Lin foi procuraro Mestre Huang, para lhe pedir ajuda e disse-lhe:
- Mestre, por favor, ajude-me a evitar que o veneno venha a matar a minha sogra! É que ela transformou- se numa mulher agradável e gosto dela como se fosse a minha mãe. Não quero que ela morra por causa do veneno que lhe dou.
Mestre Huang sorriu e abanou a cabeça:
- Lin, não te preocupes. A tua sogra não mudou. Quem mudou foste tu. As ervas que te dei são vitaminas para melhorar a saúde. O veneno estava nas tuas atitudes, mas foi sendo substituído pelo amor e carinho que lhe começaste a dedicar.
Na China, há um provérbio que diz:
"A pessoa que ama os outros também será amada".
E os árabes têm outro provérbio:
"O nosso inimigo não é aquele que nos odeia, mas aquele que nós odiamos".
As pessoas que mais nos dão dor de cabeça hoje poderão vir a
ser as que mais nos darão alegrias no futuro. Invista nelas!
Cative-as, ouça-as, cruze seu mundo com o mundo delas.
Plante sementes.
Não espere o resultado imediato: colha com paciência.
Esse é o único investimento que jamais se perde.
Se as pessoas não ganharem, você, pelo menos, ganhará:
Paz interior, experiência e consciência de que fez o melhor.

(autor desconhecido)

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Sobre estar sozinho...

Não é apenas o avanço tecnológico que marcou o inicio deste milênio. As relações afetivas também estão passando por profundas transformações e revolucionando o conceito de amor.
O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos, na qual exista individualidade, respeito, alegria e prazer de estar junto, e não mais uma relação de dependência, em que um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar.
A idéia de uma pessoa ser o remédio para nossa felicidade, que nasceu com o romantismo, está fadada a desaparecer neste início de século. O amor romântico parte da premissa de que somos uma fração e precisamos encontrar nossa outra metade para nos sentirmos completos. Muitas vezes ocorre até um processo de despersonalização que, historicamente, embora aconteça com homens mais sensíveis, tem atingido mais a mulher. Ou seja, a pessoa abandona suas características, para se amalgamar ao projeto do outro. A teoria da ligação entre opostos também vem dessa raiz: o outro tem de saber fazer o que eu não sei. Se sou manso, ele deve ser agressivo, e assim por diante. Uma idéia prática de sobrevivência, e pouco romântica, por sinal.
A palavra de ordem deste século é parceria. Estamos trocando o amor de necessidade, pelo amor de desejo. Eu gosto e desejo a companhia, mas não preciso, o que é muito diferente.
Com o avanço tecnológico, que exige mais tempo individual, as pessoas estão perdendo o pavor de ficar sozinhas, e aprendendo a conviver melhor consigo mesmas. Elas estão começando a perceber que se sentem fração, mas são inteiras. O outro, com o qual se estabelece um elo, também se sente uma fração. Não é príncipe ou salvador de coisa nenhuma. É apenas um companheiro de viagem.
O homem é um animal que vai mudando o mundo, e depois tem de ir se reciclando, para se adaptar ao mundo que fabricou. Estamos entrando na era da individualidade, o que não tem nada a ver com egoísmo. O egoísta não tem energia própria; ele se alimenta da energia que vem do outro, seja ela financeira ou moral. A nova forma de amor, ou mais amor, tem nova feição e significado.
Visa a aproximação de dois inteiros, e não a união de duas metades. E ela só é possível para aqueles que conseguirem trabalhar sua individualidade.
Quanto mais o indivíduo for competente para viver sozinho, mais preparado estará para uma boa relação afetiva. A solidão é boa, ficar sozinho não é vergonhoso. Ao contrário, dá dignidade à pessoa. As boas relações afetivas são ótimas, são muito parecidas com o ficar sozinho, ninguém exige nada de ninguém e ambos crescem. Relações de dominação e de concessões exageradas são coisas do século passado. Cada cérebro é único. Nosso modo de pensar e agir não serve de referência para avaliar ninguém.
Muitas vezes, pensamos que o outro é nossa alma gêmea e, na verdade, o que fizemos foi inventá-lo ao nosso gosto. Todas as pessoas deveriam ficar sozinhas de vez em quando, para estabelecer um diálogo interno e descobrir sua força pessoal.
Na solidão, o indivíduo entende que a harmonia e a paz de espírito só podem ser encontradas dentro dele mesmo, e não à partir do outro. Ao perceber isso, ele se torna menos crítico e mais compreensivo quanto às diferenças, respeitando a maneira de ser de cada um.
O amor de duas pessoas inteiras é bem mais saudável. Nesse tipo de ligação, há o aconchego, o prazer da companhia e o respeito pelo ser amado.
Nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo.

(autor desconhecido)

sábado, 9 de maio de 2009

Pessoa, sempre...

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma .
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."
(Fernando Pessoa)

sexta-feira, 8 de maio de 2009

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Crítica de alcance...

Tudo bem... Tem certo ar de "senso comum", mas é assim que se deve fazer crítica ao que anda acontecendo na Casa do Povo.

Luiz Carlos Prates


Se fosse o Lasier Martins, provavelmente nem tiraria os cotovelos da bancada.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

terça-feira, 28 de abril de 2009

Final do mês de abril...

Para quem entrou aqui esperando ler coisas do tipo "nossa... como tempo passou rápido" ou "gente... já estamos quase na metade do ano", lamento. Quero escrever sobre as surpresas que o mês de abril, especialmente em seu final, sempre me reservou ao longo da vida e só agora percebi.
Lembro que, ainda com 10 ou 11 anos, uma colega da minha tia que, como ela, cursava psicologia, adorava me pedir para fazer desenhos, claro, para que pudessem analizá-los mais tarde. E certa vez ela disse: "Que linda essa casinha!" E me perguntou: "Tens algum dia em que tu estás mais inspirado ou não?" E eu, na minha ingenuidade e fansia, respondi: "Sim. No Natal, na Páscoa, no dia do meu aniversário... (pensando mais um pouco) dia 25 de abril e dia 7 setembro." A minha tia, sempre céptica, retrucou: "ah... Já bobeou." (será que ela lembra disso?)
Eu simplesmente adorava a semana da Pátria, mas nunca entendi aquele 25 de abril!
Hoje em dia, evidentemente, após um acontecimento que mexeu bastante comigo, parei para avaliar sobre algumas coisas que aconteceram comigo mais ou meno nesta época do ano.
Foi num final de abril que beijei pela primeira vez alguém que, por muito
tempo, considerei um grande amor. Foi no final de outro abril que comecei a namorar a garota mais linda (em todos os sentidos) que jamais conheci. Foi no final de mais um abril que estreei meu primeiro espetáculo de teatro. Foi noutro final de abril que recebi a notícia da aprovação no melhor concurso que fiz até hoje. Foi num final de abril que me cadastrei para financiar aquela que hoje é minha casa. Hoje, fechei um show para a Flor do Asfalto, num lugar onde há muito queríamos tocar. Ontem, recebi um convite irrecusável para atuar novamente. E, o principal... Nos últimos dias, sinto que preenchi meu peito, depois de tanto tempo.
Tudo isto, talvez, para compensar o fato de que foi num distante abril que vi minha mãe pela última vez.
Eu sou muito bom com datas, mas confesso que tive de confirmar em "documentos" algumas de minhas suspeitas. O fato é que o cinema chamou novembro de "doce". Mas eu, chamo abril... Meu mês da sorte... Doce Abril!

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Boas novas ao cinema pelotense...

Através de parceria entre o Theatro Sete de Abril, a SECULT, o Curso de Cinema e Animação/UFPEL e IF-Sul foi desenvolvido em 2008, o projeto Sete Imagens.
O projeto visa oportunizar um local apropriado para a mostra de filmes de 3 a 20min, tanto de produções locais, como de outras regiões do estado, sendo seguido por um debate entre os produtores do audiovisual.
A seleção dos projetos acontece de 31 de março a 08 de maio e a prefeitura disponibilizará uma ajuda de custo para estes no valor de R$300,00 (trezentos reais). O valor, que parece pequeno, é uma grande "luz" para quem gosta e produz cinema em Pelotas.
O Sete Imagens foi idealizado para acontecer numa única quinta-feira de cada mês, das 18h30 às 20h e tem estréia marcada para 28 de maio.
Maiores informações sobre regulamento e incrição, no site, na secretaria do theatro a Rua XV de Novembro nº560 ou pelo telefone (53) 3225.5777.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Dívida...

Sei que estou em dívida com aqueles que costumam frequentar o Sundae, Blog Sundae... Mas estou num período de provas, trabalhos, seminários, que estão me sugando.

Logicamente, em breve, pretendo voltar a postar por aqui. E quem sabe o próximo post não traga um nu, artístico e atualizado, meu (trash), para que possam comprovar essa sugação toda.

Forte Abraço

sábado, 11 de abril de 2009

Painéis criativos...

Recebi por e-mail com fotos de uns painéis de uma campanha que pretende combater a violência no trânsito e vou dividí-los com vocês...
Painel 1...

Painel 2...

Painel 3...

Painel 4 (o melhor)...
Embora sejam extremamente criativos e bem humorados, não acho que o objetivo da campanha seja alcançado. Se eu estivesse na direção, e encontrasse um desses, bateria em alguém, de tanto rir. hehehe

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Coelho da Páscoa...

- Papai, o que é Páscoa?
- Ora, Páscoa é... bem... é uma festa religiosa, meu filho!
- Igual ao Natal?
- É parecido. Só que no Natal comemora-se o nascimento de Jesus, e na Páscoa, se não me engano, comemora-se a sua ressurreição.
- Ressurreição?
- É, ressurreição. Marta, vem cá!
- Sim?
- Explica pra esse garoto o que é ressurreição pra eu poder ler o meu jornal.
- Bom, meu filho, ressurreição é tornar a viver após ter morrido. Foi o que aconteceu com Jesus, três dias depois de ter sido crucificado. Ele ressuscitou e subiu aos céus. Entendeu?
- Mais ou menos... Mamãe, Jesus era um coelho?
- Que é isso menino? Não me fale uma bobagem dessas! Coelho! Jesus Cristo é o Papai do Céu! Nem parece que esse menino foi batizado! Jorge, esse menino não pode crescer desse jeito, sem ir numa missa pelo menos aos domingos. Até parece que não lhe demos uma educação cristã! Já pensou se ele solta uma besteira dessas na escola? Deus me perdoe! Amanhã mesmo vou matricular esse moleque no catecismo!
- Mamãe, mas o Papai do Céu não é Deus?
- É filho, Jesus e Deus são a mesma coisa. Você vai estudar isso no catecismo. É a Trindade. Deus é Pai, Filho e Espírito Santo.
- O Espírito Santo também é Deus?
- É sim.
- E Minas Gerais?
- Sacrilégio!!!
- É por isso que a Ilha da Trindade fica perto do Espírito Santo?
- Não é o Estado do Espírito Santo que compõe a Trindade, meu filho, é o Espírito Santo de Deus. É um negócio meio complicado, nem a mamãe entende direito. Mas se você perguntar no catecismo a professora explica tudinho!
- Bom, se Jesus não é um coelho, quem é o coelho da Páscoa?
- Eu sei lá! É uma tradição. É igual a Papai Noel, só que ao invés de presente ele traz ovinhos.
- Coelho bota ovo?
- Chega! Deixa eu ir fazer o almoço que eu ganho mais!
- Papai, não era melhor que fosse galinha da Páscoa?
- Era... era melhor, sim... ou então urubu.
- Papai, Jesus nasceu no dia 25 de dezembro, né? Que dia que ele morreu?
- Isso eu sei: na Sexta-feira Santa.
- Que dia e que mês?
- (???) Sabe que eu nunca pensei nisso? Eu só aprendi que ele morreu na Sexta-feira Santa e ressuscitou três dias depois, no Sábado de Aleluia.
- Um dia depois!
- Não, três dias depois.
- Então morreu na quarta-feira.
- Não! Morreu na Sexta-feira Santa... ou terá sido na Quarta-feira de Cinzas? Ah, garoto, vê se não me confunde! Morreu na sexta mesmo e ressuscitou no sábado, três dias depois! Como? Pergunte à sua professora de catecismo!
- Papai, por que amarraram um monte de bonecos de pano lá na rua?
- É que hoje é Sábado de Aleluia, e o pessoal vai fazer a malhação do Judas. Judas foi o apóstolo que traiu Jesus.
- O Judas traiu Jesus no sábado?
- Claro que não! Se Jesus morreu na sexta!!!
- Então por que eles não malham o Judas no dia certo?
- Ui...
- Papai, qual era o sobrenome de Jesus?
- Cristo. Jesus Cristo.
- Só?
- Que eu saiba sim, por quê?
- Não sei não, mas tenho um palpite de que o nome dele era Jesus Cristo Coelho. Só assim esse negócio de coelho da Páscoa faz sentido, não acha?
- Ai Coitada!
- Coitada de quem?
- Da sua professora de catecismo!
Luis Fernando Veríssimo

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Finalmente foi-se o Celso...

O Celso Roth demitido??? Quase não acreditei.
Depois de mais uma derrota em Grenal, por mais que digam que o Inter tenha sido "dominado" em pleno Beira-Rio (não assisti nem ouvi, graças ao monopólio global e falta de um rádio), o até então técnico (teimoso e retranqueiro) do meu time, teve a carteira de trabalho finalmente devolvida.
Acho que uma diretoria como a do Grêmio querer continuar usando slogans como "imortal tricolor" ou "nada pode ser maior", tendo um time que sai na frente do placar (1x0, gol do Tcheco), faz um penalti idiota no Nilmar (1x1, gol do Andrézinho) e deixa empatar um jogo aos 33mim do segundo tempo (2x1, gol de Índio), depois de perder 4 gols feitos e meter 2 bolas na trave durante a partida... Por favor, tem que ter muita cara de pau!
Só espero que não chamem alguém como Leão ou Renato gaúcho para dirigir a equipe. Pois por mais que sejam ídolos, não é o que o Grêmio precisa agora.
Desculpa aí Celso, mas... "já não era sem tempo". E como diria a Roberta Miranda... "Vá com Deus!!"

sábado, 4 de abril de 2009

Como prometido...

Publico uma das fotos da festa a fantasia da minha turma, com alguns dos meus colegas de faculdade.


Fantasia vencedora do Troféu Abacaxi de Originalidade: a viúva louca (vestido em voal bordado na cor preto, peruca "Channel" amarela, óculos escuros no melhor estilo "Jack Kennedy", um terço e uma fitinha do Nosso Senhor do Bonfim no pulso, maquiagem totalmente borrada e porta-retrato com a foto do marido recentemente falecido - o ator global Sidnei Sampaio).
"Ah... Que saudades do Sidão!"
A festa foi muito divertida. Essa turma é "do balacochet".
André Christ